Tatuadores contra o câncer de pele: Campanha ajudará profissionais a identificar sinais da doença

Tatuadores contra o câncer de pele Não é possível para um tatuador realizar um trabalho sem antes fazer uma breve avaliação da pele de seu cliente e, felizmente, isso poderá evitar que muitas doenças se proliferem. Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), o Brasil terá 190 mil novos casos de câncer de pele este ano e os tatuadores da campanha ‘Tatuadores contra o Câncer de Pele’ serão instruídos para que possam identificar a doença no momento da realização da tatuagem, para que possam zelar pela saúde de seus clientes.

Quem teve a ideia de realizar o projeto para a ação de prevenção e conscientização da doença, foi Paco Conde, diretor de criação da agência Ogilvy Brasil. A campanha ‘Tatuadores contra o Câncer de Pele’ uniu um grupo formado por tatuadores do Rio de Janeiro e de São Paulo, um médico e um publicitário. O palestrante, foi o oncologista João Duprat Neto, do Hospital A. C. Camargo.

Até o momento, 450 tatuadores já participaram das palestras e cada um deles atendem, em média, seis clientes no dia. Dessa forma, em média, são avaliadas semanalmente 18.900 pessoas e a maioria são jovens.

Duprat explica que foi “Os critérios seguem a regra do ‘ABCD’: assimetria, bordas irregulares, coloração (várias cores ou tons) e diâmetro(maior que 5 milímetros e aumento ou diminuição)”, relata.

Além disso, foi passado aos tatuadores que eles não cobrissem as manchas com tinta de tatuagem; desconsiderar os possíveis sinais da doença prolonga o tratamento, dificultando a cura.

Sérgio Maciel, o Led, é tatuador há 32 anos em São Paulo, conta que, após a iniciar a campanha ‘Tatuadores contra o Câncer de Pele’ ele começou a se atentar aos sinais na pele de seus clientes e, além disso, orientava-los a buscar um consultório dermatológico e até mudar alguns hábitos de rotina.

LEIA:  Principais mitos e verdades sobre cicatrização da tatuagem

“Antes, não comentava com eles sobre a importância de ir ao médico. Outro dia, uma pessoa me pediu para tatuar em cima de um marca, isso é muito comum. Disse que faria só com autorização de um médico”, disse Sérgio.

Cultura do bronzeado

No ponto de vista de João Duprat Neto, Dermatologista do Hospital A. C. Camargo e diretor do Núcleo de Câncer de Pele, a ‘cultura do bronzeado excessivo’, é o fator primordial para o grande crescimento do diagnóstico da doença em jovens no Brasil.

Além disso, Duprat garante que esse cancro é uma das doenças mais letais durante a etapa proveitosa da vida. “Existem casos de pacientes com 20 anos de idade”, enfatiza.

A verdade é que com saúde não se pode brincar, portanto, caso tenha notado algum tipo de mancha em sua pele, procure imediatamente um médico especializado para fazer um diagnostico e, dessa forma, você possa realizar sua arte corporal sem quaisquer problemas.

Tatuadores contra o câncer de pele: Campanha ajudará profissionais a identificar sinais da doença
Gostou? Então Vote!